O Nascimento de Juquiratiba

 

Juquiratiba, antigamente denominada de Salgado, começou a ser habitada no final do século XIX, pouco antes da instalação da Estrada de Ferro Sorocabana, em torno de 1885, conforme depoimento do Sr. Manuel Ferreira Gomes, funcionário da EFS, prestado ao Sr. Agenor Machado e recolhido pelo Sr. Vanderci Machado.

Segundo o depoimento, Pedro Carlos de Arruda morava no quilometro 237 da antiga Sorocabana, entre as estações de Conchas e a do Rio do Peixe (estação de Pirambóia), acima da linha, local onde hoje é o Distrito de Juquiratiba. Não muito longe dali, mudaram mais duas famílias, a do Sr. Amâncio Rosa e a do Sr. José Paulino Lameu.

No ano de 1900, os engenheiros da Sorocabana descobriram que no sítio do Sr. José Paulino havia água em abundância e negociaram uma concessão para a captação da mesma. O terreno que foi propriedade do Sr. Manoel Ferreira e posteriormente do Sr. Amim Jorge e hoje pertencente a família Capellari, foi usado no mesmo ano pela ferrovia, que precisava de um terreno na esplanada para que pude-se construir ao lado da linha férrea caixas para captação e para abastecimento das locomotivas. Pedro Carlos de Arruda, conhecido por Pedro Salgado, doou o terreno e apenas solicitou que a denominação da futura estação fosse “Salgado” (arquivo da biblioteca da Estão Júlio Prestes/SP).

No início muitas famílias buscavam o sonho de uma vida melhor e para ali se mudaram, entre elas pode-se destacar as famílias dos senhores: Antonio Costa Magueta, Antonio Ferreira Gomes, Manoel Mesquita, João Gaspar, Antonio Olintho, Prof. Alexandre Hummel, Francisco Pasqualik, Antonio Machado e Francisco Machado (irmãos conhecidos bondade), da colônia libanesa vieram as famílias Chaguri, Jorge, Miguel e Calixto José, da colônia portuguesa destaca-se as famílias de Antonio e Joaquim Gomes. Embora estas famílias tivessem o objetivo de ali permanecer, muitas delas com o passar do tempo foram-se mudando, pois o mundo passava por diversas transformações como a 1ª Guerra Mundial (1917/18). Nesse período até 1928, muitas outras famílias vieram fixar residência no local, tanto pelo emprego na estrada de ferro ou pela aquisição de pequenos sítios como as famílias Machado, Sebastião de Miranda, Gomes Pinto, Pires de Camargo, Francisco, Gomes, Gilbertti, Almeida, Domingues, Paes de Camargo, Papim, Monzano, Matos, Ferreiras, Arruda, Miguel, Caprioli, Ribeiro, Abud, Oliveira e inúmeras outras que ainda residem no local.

A mudança do nome de Salgado para Juquiratiba ocorreu por um ato do Governador do Estado, Ademar de Barros, que justificou a mudança afirmando que Juquiratiba em tupi-guarani quer dizer Salgado, mudança esta que foi a contragosto dos moradores do local na época.

A elevação a Distrito de Paz aconteceu no dia 5 de junho de 1946, às 17 horas, na residência do Sr. Agenor Machado, em Juquiratiba, com a presença do Juiz de Direito Dr. Jair Junqueira. No ato, compareceram, o titular, Lindolfo Camargo, Pedro Urso (escrevente do Cartório de Registros) e várias pessoas de destaque do lugar. O evento foi publicado pelo jornal Folha de Conchas.

Atualmente o Distrito de Juquiratiba possui hoje aproximadamente 600 habitantes incluindo a Zona Rural, que compreende pelos seguintes bairros: São José, Água da Onça, Polis, Morro Azul, Amaros, Sebastiães, Volta Seca, Rio do Peixe, Barra, Ferreiras, Capellari (Bela Vista), Ferreiras.

Na política do Município o Distrito de Juquiratiba sempre se fez representar na Câmara Municipal de Conchas e por uma vez no Executivo com o vice-prefeito José Olímpio Sebastião, entre os vereadores que representaram o Distrito destacam-se Manuel Gonçalves Faia, Joaquim de Almeida, Agenor Machado, Francisco Sebastião de Miranda, Evany Abud (Ex-Presidente da Câmara), José Ademar Zanardo, Darciso Aparecido Capellari e Omar Miranda Silva.

  

 

 

Colaboração: Vanderci Machado

Fotos retiradas do Site: http://www.estacoesferroviarias.com.br/j/juquirat.htm

Atualizado em: 11/05/2016